segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A ilha inclinada

A Grã-Bretanha após o período glaciário

A geografia da Grã-Bretanha tem vindo progressivamente a alterar-se. A ilha inclina-se ao longo de uma linha que parte de Devon, passa pela Gales Sul, atravessa a Inglaterra até ao norte de Yorkshire. A terra a norte e a oeste dessa ergue-se, enquanto ao sul e a leste se afunda,
Durante o período glaciário, desde a Escócia até à margem norte do Tâmisa, a Grã Bretanha esteve coberta de gelo, cujo enorme peso provocou um maior afundamento da ilha. Atualmente, decorridos milhões de anos após o degelo, a Grã Bretanha do Norte está retomando lentamente a posição primitiva, em conseqüência do que se verifica um fenômeno semelhante a balanço gigantesco, que provoca um aumento da parte meridional da ilha.
Esse processo afeta todos os países que rodeiam o mar do Norte. Assim, os litorais ocidentais da Dinamarca, do Norte da Alemanha, da Holanda e do Sudoeste da Inglaterra estão afundando, enquanto a Escandinávia se ergue.
Os geólogos calculam que a diferença de é da ordem dos 125 mm cada 100 anos, embora a proporção varie consideravelmente. Londres desceu 4,5 m desde os tempos dos Romanos, o que em parte explica a subida da maré do Tâmisa. Os efeitos das marés, que durante os tempos dos Romanos se faziam sentir até à Ponte de Londres, podem hoje ser observados 30 km mais acima.
No Castelo de Harlech, na costa da Gales central, verifica-se o processo oposto. Quando da sua construção, em 1286, o portão do castelo abria-se diretamente sobre o mar, o qual atualmente se encontra a uma distância não inferior a 800 m.

Fonte: O grande livro do maravilhoso – Readers Digest

Nenhum comentário:

Postar um comentário