segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Além dos limites do mundo

O homem que fez brilhar uma luz no Mar da Escuridão

Na base dos penhascos alcantilados do cabo Bojador, exatamente a sul das ilhas Canárias, o oceano Atlântico fervilha e escuma numa fúria cons¬tante.
Cardumes de sardinhas que se agitam tu¬multuosamente emprestam à água a aparên¬cia de metal em fusão. E os mares precipi¬tam-se em barrancos ocultos e explodem como geiseres em colunas brancas de es¬puma.
Este o local onde, segundo os marinheiros da Antigüidade, se abriam as portas do In¬ferno. Para além destas existia o Mar da Es¬curidão, povoado de monstros e dos espíri¬tos dos marinheiros mortos ... o fim do Mundo.
O turbilhão de águas que corria ao longo de 15 milhas de baixios inspirou lendas ater¬rorizadoras que, desde 400 a. C. até ao co¬meço do século XV, impediram a exploração para o sul da costa ocidental de África. As Colunas de Hércules - o estreito de Gibraltar - demarcavam o limite ocidental do Me-diterrâneo, para além do qual os descobrido¬res avançavam temerosamente, a um ritmo médio extremamente lento, inferior a l mi¬lha por ano.
Em 1434 o português Gil Banes, a quem a lentidão do progresso irritava e que des¬prezava as superstições, decidiu averiguar o que, na realidade, se encontrava a sul do Bojador. Revelou que o gigantesco remoinho que durante tanto tempo aterrorizara os homens do mar era muito simplesmente causado pelo mar embravecido batendo contra os penhascos. Não pôde explicar
- porque não possuía esse conhecimento, muito avançado para a sua época - que o efeito era ampliado por uma ondulação pro¬veniente do norte que colidia com o vento vindo do litoral.
Gil Eanes respondeu com sensatez c senso comum aos receios da sua tripulação. Partiu em viagem para o fim do Mundo, cujos li¬mites ultrapassou.
O resultado deve ter surpreendido os mais timoratos dos tripulantes, pois em 24 horas - tempo muito breve para a navegação da época - tinham ultrapassado a barreira si¬nistra do Bojador e penetrado cm águas calmas, sem que um único monstro tivesse aparecido. Dissipados os terrores, navega¬ram para leste, sendo recompensados com a vista de uma costa inexplorada que se esten¬dia à sua frente.
O reconhecimento de 900 milhas a sul das Colunas de Hércules levara 1000 anos aos Europeus. A ousada viagem de Gil Eanes através do temido Mar da Escuridão inaugu¬rou uma época de novos descobrimentos, e em menos de 70 anos foram traçadas nos mapas as restantes 10 000 milhas do litoral da África Ocidental.

Fonte: O grande livro do maravilhoso e do fantástico – Reader´s Digest

Nenhum comentário:

Postar um comentário